sexta-feira, 24 de junho de 2011

RETRATO DAS METADES DA ALMA (Republicado sob novo título)

Foto de Celêdian, por Douglas Assis - dez.2010


Como espectro se desenham
Sombras frias entranhadas
Da meia luz que ilumina
Metade de um lado obscuro
E na outra clara metade
Brilho que às vezes ofusca
Ou ilumina o melhor de mim

Imagens projetam idéias
Pensamentos refratam ações
Espelham íntimas ânsias
Em devaneios e reflexões
São ondas que perpassam
Confusos feixes de raios
Distorcem imagens
Na parte opaca de mim

Na outra iluminada metade
A luz se propaga em ondas
Para abissais labirintos
Via das minhas entranhas
Abstrato, ninho subjetivo
Abjuro o abjeto abismo
Redundante instropecto
Deste agônico solilóquio

Resgato-me na superfície
Na ruptura da interna rusga
Desenham outros espectros
Do concreto que me acerca
No objeto inacessível
Do circunlóquio que fiz.

20 comentários:

  1. Aos versos que vejo como cheios de luzes,que fogem da alma e saltam para o mundo.Versos que vasculham nossas mentes entre as confusas e tantas coisas que as vezes nos assediam.Enfim uma poesia para chacoalhar a reflexão.Isto é lindo.Isto é CeLêdian.
    Parabens ao artista Assin.
    Uma abração minha dice amiga.
    Bju de luz nos seus dias sempre.

    ResponderExcluir
  2. Como a lua, sempre temos o lado brilhante e o escuro. Belo poema, com figuras muito interessantes. E gostei muito da fotografia, com um belo efeito.

    abraço.

    ResponderExcluir
  3. celêdian,
    aprecio na poesia a imagem das palavras e as palavras que se contornam pelas imagens. admirável é a convergência entre ambas que aqui nos ofereces.
    sobre o texto: por debaixo das feridas onde as larvas nidificam há-de haver sempre o ar que tudo areja e tudo renova, num banquete metamorfoseado. porque ser homem é, antes de mais e depois de tudo, sublimação pós-queda.
    um abraço!

    ResponderExcluir
  4. Dessa sua beleza que hoje
    me deixou sem palavras
    foi a luz maior
    que me acendeu no olhar.

    Meu carinho, poetisa querida.
    Samara Bassi

    ResponderExcluir
  5. Linda luz nas tuas palavras,sempre incrivelmente inspiradas! um beijo, lindo domingo!chica

    ResponderExcluir
  6. Minha cara,
    Não provei nenhuma de suas receitas culinárias que, provindo de uma especialista em nutrição, acredito devam esconder segredos fantásticos.
    Só agora começo a conhecer suas receitas literárias, uma mistura saborosa de verbos, adjetivos, substantivos, metáforas, hipérboles, aliterações, paronomásias etc. Aos poucos sacio, com prazer, minha metade poeta.
    Abraço,
    Gabriel

    ResponderExcluir
  7. Um "dabate" com a própria alma é algo entre fabuloso e auto revelador. Magnífico, minha querida. Magnífico! Abraços e uma ótima semana. Paz e bem.

    ResponderExcluir
  8. Acho fascinante todas as formas de luz. Do espectro do arco-iris à um leque de cores num raio que adentra uma fresta em meu quarto, colorindo a parede.

    Mas tem um tipo de luz que considero fabuloso, aquele que vive de forma efêmera em uma vela.

    Ele é capaz de iluminar uma sala inteira, fruto do pavio sendo consumido numa cor azulada e com tons que vão clareando até o laranja, à medida que se afasta do centro, até fazer a vela chorar se esvaindo em cera quente.

    É como uma pessoa enchendo de luz o coração de outra pessoa e lhe mostrando suas melhores cores, lhe dando calor, até o momento sublime que se finda, deixando lágrimas do que foi vivido intensamente.

    Bom final de tarde, lindo o seu post.

    ResponderExcluir
  9. Muito querida Celêdian,magnífico poema...claro,escuro,duas faces de uma mesma moeda,o claro a nos conduzir,trazendo a beleza,o escuro a nos confundir e a distorcer a realidade...
    E a luz de teu verso nos ilumina e seduz como uma música,como um passo de dança...
    Bjsssssss,Leninha

    ResponderExcluir
  10. Celêdian,

    É sempre muito bom visitar o seu blog, onde sempre encontro poemas como este, no qual leio a mensagem que vem no desvão das belas imagens da poesia.

    Abs.
    Pedro.

    ResponderExcluir
  11. Minha querida Celêdian,

    é poema confessional ou confessional poema? pouco importa quando a poesia se faz retrato psicológico objetivo, e este torna-se poesia da mais alta qualidade literária. Luzes, cristais, prismas, lentes, reflexos e sombras são aqui amalgamados sob forma de reflexão autobiográfica em metalinguagens ricas e construções suntuosas. E que se filtram através de versos de magníficas sonoridades, como este quarteto de antologia:

    Abstrato ninho subjetivo
    Abjuro o abjeto abismo
    Redundante introspecto
    Deste agônico solilóquio


    Um poema de uma riqueza em simbolismos e imagens excepcional, onde duas metades se justapõem em suas luzes e sombras, em dispersões e contenções, em suas simetrias que levam a um resgate na mesma superfície que o reverte ao abismo, tal duas espirais assimétricas em um mesmo eixo. Um poema circular. Nem Borges teria feito melhor, minha grande amiga.

    Perdoe-me a inconstância da presença, querida Celêdian, os meus dias vagam por entre horas incertas e emoções caleidoscópicas. Mas vir aqui ler suas letras é me dar um hausto de verdadeira arte poética, é haurir a inteligência mais poética que, por esses tempo, eu encontro.

    Minha admiração cada vez maior, grande poetisa, parabéns, felicidades, meu abraço com o carinho de sempre.

    André

    ResponderExcluir
  12. O poema é belo, profundo e a foto então, nem se fala, Celêdian! Estou te esperando lá em meu cantinho, bjks.

    ResponderExcluir
  13. Celêdian,desde ontem estou percorrendo os blogs dos queridos amigos,sorteando pensamentos,tal qual o velhinho do realejo,de minha infância...Hoje continuo e agora é sua vez.Lá vai!!!
    "NÃO ADORMEÇA PENSANDO QUE UMA COISA É DIFÍCIL,POIS CORRERÁS O RISCO DE SERES DESPERTADO PELO BARULHO DE ALGUÉM QUE A EXECUTA"
    Bjsssss,Leninha

    ResponderExcluir
  14. é o complexo e indecifrável emaranhado interior de cada um de nós, que você muito bem cantou. Ando super ausente, Celina, tenho trabalhado intensamente. Espero poder voltar ....

    IVAN CEZAR(http;//ivancezar.blogspot.com)

    ResponderExcluir
  15. Dalva Molina Mansano8 de julho de 2011 20:44

    Essas conversas interiores que travamos conosco trazem grandes descobertas a nosso respeito. Vejo aqui dois lados claramente distintos e, como consequência dessa consciente descoberta, um retrato fiel do ser e do não ser. Achei excelente! Dê um abraço ao Douglas, por essa magnífica fotografia. Dois artistas que fotografam, cada um com sua matéria prima, lindamente! Bjo, querida!

    ResponderExcluir
  16. Ai,deu saudade e vim lhe deixar um abraço terno Celedian.
    Carinhoso abraço.

    ResponderExcluir
  17. Amiga querida. Passando para matar saudades e lhe desejar um ótimo fds, bks, Milla

    ResponderExcluir
  18. Um poema de tanta penetração na alma humana como este obriga o leitor a notar a representatividade da poesia no cenário intelectual. Espero que estudiosos dedicados à pesquisa sobre literatura virtual encontrem peças de tanta legitimidade literária e recheadas da beleza estética como as de sua autoria, nobre poeta mineira.

    ResponderExcluir
  19. Nossa! Que beleza! Excelente e sensível trabalho, minha amiga!- Parabéns! - Abração

    ResponderExcluir

Obrigada pela tua presença. Sinta-se à vontade, comente. Por gentileza, identifique-se. Seja bem vindo!